propaganda

DIVERGÊNCIA /

Segunda-feira, 07 de Setembro de 2020, 06h:30

A | A | A

Cartórios divergem de números de municípios quando o assunto é Covid-19

Os cartórios de todo o Brasil, tem chamado atenção de autoridades através da Anoreg–MT sobre os números da Covid-19


Imagem de Capa
Da Redação

Desde o início da pandemia, muitas pessoas têm falado não acreditar nos números de mortos divulgados pelas Secretarias de Saúde dos municípios e dos estados. A desconfiança aumenta quando são comparados com os números registrados pelos cartórios.

 

Para entender esta divergência, a equipe de reportagem do Jornal O Diário conversou com cartorário Kalil Fernandes que explicou de que forma é feita os atestados de óbitos.

Segundo a Associação dos notários e registradores de Mato Grosso - Anoreg-MT e também o cartório Nesken do município de Campo Verde, existem divergências entre os números de mortes apresentados pelas prefeituras e estado nos seus boletins, com os números registrados em cartórios.

Uma das explicações para a situação, é que muitas vezes as pessoas de uma cidade acabam falecendo em hospitais de outros municípios, sendo assim a morte é computada pelo município de origem, mas é registrada pelo cartório local.

Porém segundo o cartorário Kalil Fernandes, em Campo Verde, no mês de agosto, “ tiveram nove mortes computadas nos boletins do município, dessa vez todos eles morreram realmente na cidade, mas como causa primária que realmente indica a causa da morte por Covid-19, foram somente quatro casos. Os demais casos o Covid-19 ou suspeita do mesmo, apareceram na segunda parte da certidão, como causas secundárias.  Ou seja, segundo a nossa recomendação, a causa da morte se trata do que está descrito na primeira parte, não no verso, que são as condições ou consequências, porém não sabemos qual é a recomendação das secretarias de saúde quanto a isso. Eles devem ter os critérios deles”, completou Kalil.

Segundo a Anoreg, em números gerais, no Brasil é possível que esse mesmo detalhe observado pelo cartorário de Campo Verde, tenha acontecido em pelo menos 200 mil mortes em todo país. “ Isso não quer de maneira nenhuma dizer que a doença não é letal, ou que os cuidados não devem ser tomados, não é isso que estamos pregando, se trata somente de uma observação, pois muitas pessoas já morreram anteriormente de pneumonia, ou outras doenças relacionadas a comorbidades, mas quando existe Covid-19 elas sempre são computadas ao vírus”, observou Kalil.

Outro dado importante lembrado que chama atenção é o número de mortes por ano, até o final do mês de agosto 2020 no cartório da cidade foram registradas 122 mortes, enquanto no mesmo período de 2019 foram apenas 77 mortes, isso nos leva a crer que realmente muitas pessoas morreram devido a pandemia.

Mas quando observamos os números de 2018 a surpresa é que no mesmo período 192 pessoas morreram, segundo o cartorário as mortes durante os anos são muito variáveis e não existe uma metodologia que comprove que morreu mais pessoas somente devido a pandemia.

Até o dia 31 de agosto, 28 pessoas morreram devido ao Coronavírus segundo o boletim da SMS, no mesmo período 25 pessoas da cidade morreram por causas violentas, (disparo de arma de fogo, brigas, facadas, acidente de trânsito), números que são muito próximos, mas que durante a pandemia não são tratados com a mesma preocupação segundo Kalil.

Com a reportagem, o cartorário disse que pretende alertar a população e as autoridades, que “sim, neste momento devemos nos preocupar com a pandemia, nos prevenir, realizar políticas públicas, mas essa preocupação, após essa pandemia, tem que se estender às tantas outras situações que acontecem na cidade e muitas vezes não são lembradas”.

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
Você é a favor ou contra a privatização da MT 130 sentido Paranatinga?
A favor
Contra
Tanto faz