propaganda

ARTIGO /

Segunda-feira, 12 de Julho de 2021, 06h:30

A | A | A

Os perigos da automedicação para animais de estimação

Por mais que as intenções sejam boas, automedicação não é indicada nem para pessoas, menos ainda para os pets


Imagem de Capa
Adriane Ricci

Quem nunca ouviu falar no famoso ditado popular que diz: “De médico e de louco todo mundo tem um pouco”. Porém acreditar nisso se torna arriscado quando se trata de animais de estimação, medicar por conta nossos bichinhos pode colocar em risco a saúde deles e muitas vezes, além de não resolver o problema ainda piorar a situação.

A anatomia e o funcionamento do organismo dos animais são diferentes do nosso. Se entre seres humanos que tem a fisiologia semelhante, o que funciona para uma pessoa nem sempre funciona para a outra, imagina para os animais que não são todos iguais. Entre os cães mesmo, existem particularidades de metabolismo entre raças diferentes.

Alguns medicamentos que parecem inofensivos para nós como analgésicos e anti-inflamatórios podem ser altamente tóxicos para cães e gatos podendo levar a morte. Em outros casos pode agravar doenças já existentes ou dificultar o diagnóstico mascarando sinais e sintomas, isso leva a um atraso no diagnóstico e consequentemente no tratamento correto.

O fácil acesso a “informações” pela internet gera um uso excessivo e indiscriminado de medicamentos desnecessários e muitas vezes até prejudiciais à saúde dos pets. Sem falar que nem sempre o que eles demonstram é realmente o que os tutores visualizam e os problemas podem ser muito além do que enxergamos.

 Outro fator de risco é a dosagem, que certamente um animal usa uma dose bem menor do que uma pessoa adulta. Então pode sofrer superdose e intoxicação se receber a mesma quantidade de medicamento que para um humano.

Mais um problema preocupante é o uso indiscriminado de antibióticos, que gera resistência nas bactérias e quando são realmente necessários acabam não fazendo efeito, diminuindo a eficácia do tratamento, sendo necessários outros antibióticos cada vez mais fortes.

Por mais que as intenções sejam boas, automedicação não é indicada nem para pessoas, menos ainda para os pets, a conscientização das pessoas de que isso é nocivo à saúde e ao bem-estar dos animais é nosso dever.

 

Adriane Ricci – veterinária

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
Você é a favor ou contra a redução de vereadores em Primavera do Leste?
Sim
Não, prefiro a redução do duodécimo
Não tenho opinião formada sobre o assunto