Segunda-feira, 11 de Outubro de 2021, 06h30
JUSTIÇA
Júris populares sobre mortes de mulheres são realizados em Campo Verde
Casos aconteceram em 2019 e 2020 e os acusados tinham relacionamento com as vítimas

Da Redação

Dois importantes julgamentos de crimes cometidos contra mulheres, ocorreram na última semana em Campo Verde. Os crimes aconteceram nos anos de 2019 e 2020. Os autores dos assassinatos de Bruna Francisca da Silva e Sônia Ramos da Silva, foram condenados a 32 e 7 anos respectivamente. Um ficou preso e o outro vai cumprir a pena em regime semiaberto.

O primeiro caso julgado na última terça-feira (05), foi o feminicídio que teve como vítima Bruna Francisca de 23 anos, morta no dia 11 de julho de 2019. O autor do crime, marido da vítima, Paulo André de Oliveira, de 36 anos, a espancou por aproximadamente duas horas, depois de uma discussão em um dos shows da Exposição Agropecuária de Campo Verde (Expoverde).

O corpo de Bruna Francisca da Silva foi encontrado pela mãe dela, nos fundos da residência na entrada de Campo Verde, as margens da MT-344. O rosto estava desfigurado e o corpo apresentava vários ferimentos.

Na época a mãe disse à polícia que ela viu a filha e o marido discutindo durante a madrugada após chegarem de uma festa. Paulo André começou a agredir Bruna fisicamente e a mãe tentou intervir, mas acabou sendo impedida pelo suspeito, que tomou o celular da mão dela e obrigou a sogra a ficar trancada em um dos quartos da residência e depois continuou as agressões que culminaram na morte da jovem.

bruna-vítima 01.jpg

 

Devido as várias qualificantes e também os antecedentes criminais, Paulo acabou pegando a pena máxima de um julgamento realizado na comarca de Campo Verde, ou seja, 32 anos. 

O Promotor de Justiça Arivaldo Guimarães classificou a pena aplicada ao acusado como justa, tendo em vista os antecedentes criminais do autor e a motivação do crime. “Foi o julgamento de um caso que está fora da curva, além do método, o acusado era multirreincidente e o crime foi praticado na presença de ascendentes e descendentes, ainda teve motivação fútil, causando intenso sofrimento a essa vítima antes de ela morrer. Por isso eu acho condizente essa pena ao acusado”, o promotor ainda afirmou que Paulo, que está preso desde que cometeu o feminicídio, deve cumprir pelo menos mais 15 anos de pena em regime fechado.        

A juíza da vara criminal de Campo Verde Dra. Carolina Schneider, que sentenciou Paulo, também falou sobre a pena aplicada. “Muitos homens se acham donos das mulheres, foi isso que aconteceu com esse acusado, em face de toda a crueldade levantada nos autos nós não tínhamos outra opção a não ser condena-lo a essa sentença”. 

 

FEMINICÍDIO DESCARTADO

O outro Júri realizado, ocorreu na quinta-feira (07), e foi referente a morte de Sônia Ramos da Silva, morta em abril de 2020. Carlos Vitoriano é acusado de ter aplicado um mata leão na vítima, sua ex-companheira, e causado sua morte posteriormente, devido ao engasgo sofrido em consequência da lesão.  Neste caso o autor do crime recebeu uma pena considerada até branda, e ainda vai responder ao crime em regime semiaberto.

O promotor de acusação Arivaldo Guimarães explicou o que foi levado em consideração para a aplicação da pena. “Analisando as provas dos autos é possível que a versão do acusado no sentido de que não queria matar a vítima seja verdadeira. Eu como promotor não quero e nem tenho a pretensão de processá-lo além do que ele merece. Entendo que embora a qualificação do crime de lesão corporal seguida de morte tenha uma pena baixa, isso é um problema do Código Penal, eu não posso condená-lo há mais tempo somente para ajeitar uma situação, é a legislação que prevê assim”. 

 

Sônia Ramos.jpeg

 

 

 

O advogado de defesa Renato Carneiro diz acreditar que a justiça foi feita.  “Em um objetivo comum entre acusação e defesa, ele não sairá daqui impune, ele ainda vai cumprir sua pena em regime semiaberto por cinco anos e depois se reintegrará a sociedade”.

A juíza Carolina Schneider, ressaltou que analisando os autos, se fez necessário descartar algumas qualificadoras. “Ficou comprovado que a intenção do réu neste caso não era de matar, mas sim de lesionar a vítima, por isso as qualificações de feminicídio foram descartadas”.

Carlos Vitoriano foi sentenciado a cumprir um pouco mais de sete anos, mas devido à progressão de pena e por não ter antecedentes criminais ele deve responder ao crime no regime semiaberto.

Nesta oportunidade a juíza aproveitou para frisar a imprensa que para que casos como estes julgados na semana passada não sejam tão corriqueiros, como vem sendo em Campo Verde, é necessário que exista um trabalho de base, com as crianças, com os adolescentes, para que quando virarem homens tenham atitudes diferentes em relação às mulheres.


Fonte: Clique F5
Visite o website: https://www.cliquef5.com.br