Internacional /

Quinta-feira, 23 de Janeiro de 2020, 16h:30

A | A | A

Em Davos, Huck diz que protestos na América Latina são fruto de desigualdade

arrow-options Reprodução Luciano Huck participou do Fórum Econômico Mundial, em Davos  O apresentador de TV Luciano Huck foi chamado de "próximo...


Imagem de Capa
luciano huck arrow-options
Reprodução
Luciano Huck participou do Fórum Econômico Mundial, em Davos

 O apresentador de TV Luciano Huck foi chamado de "próximo presidente" do Brasil por participantes de um almoço reservado no Fórum Econômico Mundial, em Davos, onde o tema em discussão eram as manifestações e o clima de agitação popular na América Latina.

Huck atribuiu os protestos à desigualdade e contou à plateia, numa sala lotada por 40 executivos, a história de um entrevistado em seu programa que morava no Morro da 40, em São Gonçalo (RJ), cujos pais se envolveram em atividades criminosas e morreram por causa da violência. O apresentador relatou à plateia que ele terminou a entrevista dizendo querer encontrar seus familiares "mais em formaturas do que em enterros".

Leia também: Senador acusa agentes do Ibama de queimar carros e casas no Pará: "Bandidos"

A plateia reagiu com sinais de aprovação e a diretora da Comissão Econômica para a América Latina (Cepal), a mexicana Alicia Bárcena, voltou ao assunto minutos depois. "Gostaria de concordar com o João...", falou, sendo cortada em seguida por um Huck sorridente "Luciano".

Huck descreveu as atividades do ? Renova BR ? e ressaltou o desafio de levar "gente com ética" para a política. Contou que o movimento dá bolsas de estudos a potenciais lideranças e conseguiu eleger 23 parlamentares para o Congresso Nacional. "Se são de direita ou de esquerda, não importa. Queremos gente com ética."

Foi então que, com perguntas abertas à plateia, um jovem empresário brasileiro o chamou de "próximo presidente" e lhe questionou o que pode motivar pessoas bem sucedidas no mercado, que estão "ganhando milhões de dólares", a deixar de lado suas carreiras e arriscar uma entrada na política para mudar as coisas.

Leia também: Com 25 vetos, pacote anticrime entra em vigor nesta quinta-feira

Huck ensaiou uma breve resposta, mas emendou com franqueza no final, pedindo desculpas pela falta de clareza: "Eu não tenho a resposta nem para mim mesmo". Ao sair do almoço, ainda foi parado por Bárcena, da Cepal, para uma selfie: "Agora vou te seguir (nas redes sociais). Espero que você seja o próximo presidente".

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas
Você é a favor ou contra a privatização da MT 130 sentido Paranatinga?
A favor
Contra
Tanto faz