Mulher /

Sexta-feira, 18 de Maio de 2018, 03h:40

A | A | A

Afinal, por que os mamilos femininos ainda são tão polêmicos?

Em 2011, o meme já dizia: mamilos são polêmicos. Sete anos depois, os peitos das mulheres ainda são assunto de debate e nem mesmo as...


Imagem de Capa

Em 2011, o meme já dizia: mamilos são polêmicos. Sete anos depois, os peitos das mulheres ainda são assunto de debate e nem mesmo as redes sociais os deixam livres, leves e soltos. Os seios de Bruna Marquezine, por exemplo  viraram alvo de comentários no carnaval por serem "caídos demais" . Já a modelo Kendall Jenner foi criticada por usar um vestido transparente — e estar sem sutiã — em uma festa no Festival de Cannes. 

Kendall Jenner mostrou os mamilos durante uma festa exclusiva para os convidados do Festival de Cannes, na França
Reprodução/Instagram
Kendall Jenner mostrou os mamilos durante uma festa exclusiva para os convidados do Festival de Cannes, na França



Mas, afinal, por que esse debate sobre mamilos ainda persiste? De acordo com Darlane Andrade, psicóloga e professora do Departamento de Estudos de Gênero e Feminismo da Universidade Federal da Bahia (UFBA), isso está vinculado à forma como os corpos femininos e masculinos são representados de jeitos diferentes pela sociedade. 

A especialista explica que essa desigualdade de representação vem sendo construída há séculos, e é por isso que os homens podem — e, inclusive, são estimulados a — andar nas ruas ou até mesmo em casa sem camisa.  "Historicamente, sempre foi permitida a exibição dos corpos masculinos como sinal de virilidade, poder e como um direito já adquirido, então não nos choca."

"O fato deles andarem sem camisa também não vai significar 'estar disponível sexualmente'. Os homens não vão sofrer acusações como 'foi estuprado porque estava sem camisa', como acontece com muitas mulheres que usam roupas curtas", complementa. 

O caso das mulheres é bem diferente, já que elas são ensinadas a esconder os seios desde o início da puberdade, quando estes começam a se desenvolver. "Esta desigualdade está muito vinculada a como os corpos das mulheres são vistos como atrativos sexuais e como nós temos que protegê-los para não serem violados, ou para que as mulheres não sejam consideradas 'fáceis', 'disponíveis sexualmente' — e assim também ficarem sujeitas a situações de violência ou serem acusadas de estarem 'desrespeitando' o que se espera de uma mulher."

Algo que também gera bastante discussão e envolve não apenas os mamilos, mas os peitos femininos no geral, é o ato de amamentar em público. Muitas vezes, isso é visto como algo inadequado de se fazer, porque causa constrangimento nas outras pessoas. "As mulheres tem o direito de amamentar, e os seios têm esta função também. É um direito que deve ser respeitado."

"Quando uma mulher rompe com o que é socialmente esperado para ela — que, em síntese, seja mais 'passiva', 'contida' e que, inclusive, não mostre muito o seu corpo, sendo pouco ou nada sexualizada —, isso causa polêmica", afirma Darlane. A profissional também lembra que é importante saber que muitas dessas "polêmicas" estão ligadas à cultura de cada país, ou seja, em locais nos quais o uso do topless na praia é comum, por exemplo, vai haver menos debate sobre isso do que as localidades onde existe o costume de cobrir os seios. 

Leia também: Mamilos, sempre polêmicos, voltam a ser assunto no mundo fashion

É possível quebrar esse tabu dos mamilos?

Os corpos masculinos são representados e vistos pela sociedade de forma diferente do que os corpos das mulheres
Reprodução/Instagram/freethenipple
Os corpos masculinos são representados e vistos pela sociedade de forma diferente do que os corpos das mulheres

Segundo a psicóloga, para romper com esse tabu é preciso de muito mais do que apenas mudar como os corpos são representados. "É preciso que haja uma mudança de cultura e combate ao machismo que ainda ronda nossas práticas sociais. Olhar para o corpo da mulher para além de ser um corpo desejado, mas vê-lo como um corpo que merece ser respeitado."

Darlane afirma que é essencial mostrar para uma pessoa que ela deve ser respeitada e que pode se vestir ou se comportar como se sentir mais confortável. "É preciso olhar para além das normas de gênero, inclusive rompendo com essas normatividades que tanto engessam comportamentos, sentimentos, desejos e relações". 

Dessa forma, a mudança deve ser geral. "Devemos investir na educação, rever o modo como as propagandas disseminam representações dos corpos de homens e mulheres, como os filmes, novelas, etc., ainda reforçam estereótipos, conversar sobre o tema em diversos espaços... Enfim, precisa haver um movimento de desconstrução das desigualdades de gênero para combater o sexismo e misoginia na nossa sociedade."

Leia também: Biquíni com estampa de mamilos chama a atenção para censura a topless

O que o feminismo tem a ver com mamilos?

Por causa da sexualização dos corpos femininos, as mulheres são, na maior parte das vezes, obrigadas a cobrir os seios
Reprodução/Instagram/freethenipple
Por causa da sexualização dos corpos femininos, as mulheres são, na maior parte das vezes, obrigadas a cobrir os seios


O movimento feminista também está diretamente ligado à luta por quebrar com essa representação de gênero. "Desde que se expandiu pelo mundo, ganhando força nas décadas de 1960 e 1970, o feminismo vem colaborando para o aumento de autonomia das mulheres, de conquista de direito e o direito à livre expressão da sexualidade, das identidade, de escolhas pelo uso do seu corpo e tem colaborado para mudanças de perspectivas."

Atualmente, diversos grupos de mulheres estão se organizando em movimentos a favor da igualdade de gênero. O "Free the Nipple” — liberte os mamilos, em tradução para o português —, por exemplo, se manifesta contra as inúmeras fotos de seios femininos que são censurados nas redes sociais, principalmente Facebook no Instagram.

No Brasil, o projeto "Mamilos Livres" também surgiu com o objetivo de questionar o motivo do corpo feminino sempre ser visto como "obsceno" ou "sexual". A campanha do "Mamaço" também chamou atenção para o ato de amamentar em público e diversas mulheres se reuniram em locais públicos para alimentar seus filhos em uma tentativa de normalizar esse ato. 

"Vemos esses movimentos se expandirem como uma bandeira pela autonomia das mulheres sobre seus corpos, e expor os mamilos nas lutas feministas, nas marchas das mulheres, tem o sentido revolucionário de ruptura com o padrão de gênero que socialmente vem sendo imposto às mulheres", explica Darlane. Inclusive, quando famosas como Kendall Jenner expõem seus corpos em Cannes ou qualquer outro evento, o objetivo também é esse. 

Apesar disso, ela afirma que esse tipo de movimento pela liberdade dos mamilos não basta para mudar a forma como a mulher é vista. "Não basta 'queimar sutiã', mas, se não queimarmos essa peça de roupa que quer 'colocar os seios nos seu devido lugar', a gente não rompe nada", finaliza. 

0 Comentário(s)
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Edição impressa
imagem
os maiores eventos e coberturas

21/05 - Na noite do último sábado, 19, os holofotes estavam voltados para o casal Rosi e Moacir Quaini que celebrou 30 anos de união com pomposa festa, no centro de eventos Primacredi. A romântica história de amor que teve inicio em 1988, na Catedral do Divino Espirito Santo, em Cruz Alta- RS, foi reafirmada, dessa fez com a presença dos frutos da união, os filhos Leonardo e Letícia Quaini. Há cerca de aproximadamente um ano juntamente com a cerimonialista Sibeli Salvatori os noivos começaram a organizar a noite que será eternizada para sempre. Profissionais de mão cheia foram convocados para a suntuosa comemoração. A décor Silvânia Costa traduziu toda a magnitude da celebração nos detalhes da imponente decoração em tons de branco, verde e champanhe. O buffet foi assinado pela requisitada Mirian Avila, e o repertório musical ficou por conta da banda Comunicasom que animou os convidados até altas horas da matina. Os filhos Letícia e Leonardo não conteram as lágrimas ao proferirem homenagem aos pais expressando todo amor, carinho e gratidão ao voltarem ao tempo e relembrar, como a união pautada no amor e cumplicidade vence os desafios do tempo. A bênção de renovação dos votos de amor e fidelidade foi ministrada pelo frei Constantino e testemunhada por em torno de 250 convidados que celebraram o momento ímpar com a família que esbanjou felicidade do começo ao fim da noite. As fotos oficiais foram registradas pelas criteriosas lentes do cuidadoso e atento fotógrafo Marcello Holanda. Nossa coluna hoje é exclusiva em homenagem a badalada Bodas de pérola e destaca momentos de emoção dos queridos Rosi e Moacir Quaini que distribuíram abraços e sorrisos durante toda a comemoração. Confiram!

Você é a favor ou contra a revitalização das Avenidas de Primavera?
A favor.
Contra.
Não tenho opinião formada sobre o assunto.